Menu
2019-04-04T15:55:57-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Primeira visita

Presidente argentino chega ao Brasil para reuniões com Bolsonaro

Apesar de não ter participado da cerimônia de posse de Bolsonaro, argentino chega agora acompanhado de um time importante de ministros

16 de janeiro de 2019
6:51 - atualizado às 15:55
Presidente da Argentina, Mauricio Macri
Presidente da Argentina, Mauricio Macri - Imagem: shutterstock

O presidente Argentina, Mauricio Macri, vem ao Brasil nesta quarta-feira, 16, para discutir pautas-bombas da região com o presidente Jair Bolsonaro.

Apesar de não ter participado da cerimônia de posse de Bolsonaro - com a desculpa de que estava de férias na Patagônia -, o argentino chega agora acompanhado de um time importante de ministros.

Estão entre elas Nicolás Dujovne (Economia), Dante Sica (Produção), Jorge Faurie (Relações Exteriores), Oscar Aguad (Defesa), Patricia Bullrich (Segurança), Germán Gravano (Justiça e Direitos Humanos), além de Fulvio Pompeo (secretário de Assuntos Estratégicos).

Nas reuniões da equipe econômica, dinamização do comércio bilateral, situação do Mercosul e negociações do bloco com outros países são temas que vão predominar nos debates. A ideia é buscar iniciativas que possam aumentar a integração e a produção em ambos os países, segundo uma fonte do governo argentino.

O governo Macri também quer ampliar as exportações para o Brasil, já que a Argentina apresenta déficits comerciais com o País. O intercâmbio comercial entre as duas maiores economias do Mercosul está longe de seu melhor momento. No ano passado, somou US$ 26 bilhões, o que significa uma queda de 34% em relação aos US$ 39,6 bilhões registrados em 2011, ano recorde.

Na mesa de debates, deverá aparecer ainda o acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Europeia, que vem sendo negociado há 20 anos, e a possibilidade de novas parcerias com outros países e blocos. A intenção é integrar o Mercosul globalmente.

Entre as equipes dos Ministérios de Defesa, Segurança e Justiça, as conversas se concentrarão no combate ao crime organizado (o que deverá incluir trâmites mais ágeis nas fronteiras) e à corrupção. Ainda na pauta elaborada pela Argentina constam os assuntos energia nuclear, desenvolvimento da indústria de satélites e espacial. A situação da Venezuela também deve ser abordada no encontro entre os dois presidentes.

Unasul

Outro ponto é a criação de um novo bloco para substituir a União das Nações Sul-Americanas (Unasul). O governo brasileiro acredita que o bloco está “praticamente encerrado” e vai propor o uso de fóruns já existentes no Mercosul para substituir a organização em áreas como infraestrutura e questões de fronteira. Segundo fontes, o Brasil é “simpático” à ideia de criar um novo bloco para substituir a Unasul, mas prefere não “duplicar esforços”, por isso vai sugerir usar instâncias que já existem.

O Brasil já foi consultado por países como Chile e Colômbia sobre a possibilidade de criação de um novo bloco em substituição à Unasul (que poderia se chamar Pró-Sul).

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

retomada

Azul volta a operar no Galeão em janeiro e lança três voos no Rio

Somadas, as operações nos três aeroportos fluminenses resultarão em uma oferta semanal de 32 voos

Revolucionário

Elon Musk afirma que seu caminhão Tesla pode andar 1.000 km por carga

Na conferência, Musk afirmou: “Achamos que isso será extremamente competitivo e atraente para as empresas de transporte rodoviário”.

polêmica

Vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford contra covid-19 sofre críticas

Cientistas questionam métodos da pesquisa após empresa admitir que meia dose foi erro de fabricação

Crise no mundo encantado

Disney anuncia 32 mil cortes de empregos, principalmente em parques temáticos

A pandemia forçou os parques temáticos da Disney a permanecer fechados ou operar com capacidade reduzida durante boa parte deste ano, e as operações de seus navios de cruzeiro estão suspensas

Tema do momento

Acionista do Carrefour, Abilio Diniz quer que a empresa se torne referência na luta contra o racismo

No evento online, o empresário também falou sobre o futuro do varejo e suas visões positivas para a economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies