Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-03-29T14:42:33-03:00
Estadão Conteúdo
Não será na Big Apple

Após protestos, Amazon desiste de construir sede em Nova York

Companhia esperava criar 700 novas vagas na cidade até o fim do ano, mas agora disse que vai distribuir esses novos cargos para as operações nos Estados do Tennessee e da Virgínia

15 de fevereiro de 2019
7:06 - atualizado às 14:42
Placa de loja da Amazon
Imagem: Shutterstock

A Amazon desistiu de construir sua segunda sede em Nova York, depois de forte oposição de políticos e da população local.

O anúncio foi feito pela varejista nessa quinta-feira, 14, e é mais um episódio na longa jornada da empresa fundada por Jeff Bezos para escolher um local para construir sua segunda unidade.

A Amazon esperava criar 700 novas vagas na cidade até o fim do ano, mas agora disse que vai distribuir esses novos cargos para as operações nos Estados do Tennessee e da Virgínia - este último, vizinho à capital americana, Washington, foi escolhido junto a Nova York para receber a segunda sede da empresa, em um processo que começou no fim de 2017 e envolveu mais de 200 candidaturas.

Resistência

A desistência da varejista se deu após semanas de oposição declarada de políticos locais que não aceitaram a ideia do governo e da prefeitura de Nova York oferecerem US$ 2,8 bilhões em incentivos à Amazon pela instalação na cidade.

Alguns moradores da vizinhança de Long Island City, a leste da ilha de Manhattan, na qual o prédio da empresa seria supostamente erguido, também se opuseram à ideia. Residentes de longa data temiam ser forçados a sair de suas casas devido à especulação imobiliária que pode surgir no local. Eles alegam ainda que os sistemas locais de esgoto e metrô já estão sobrecarregados mesmo sem o novo edifício.

A desistência da Amazon também provocou reações entre políticos americanos. O prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, disse que a empresa “jogou fora a chance de fazer negócios na melhor cidade do mundo”.

Já a senadora Elizabeth Warren, que anunciou sua candidatura à presidência em 2020, criticou a companhia. “Uma das maiores empresas do mundo desistiu de um negócio por conta da ausência de subornos dados pelo contribuinte”, disse. O governador Andrew Cuomo, por sua vez, culpou os políticos locais por espantarem um negócio que beneficiaria não só Long Island City, mas todo o Estado.

Nova escolha

A Amazon disse ainda que não vai reabrir um novo “processo seletivo” para encontrar um local para a segunda sede, mas que deve retomar investimentos para expansão.

As cidades de Chicago, Miami e Newark, nos subúrbios de Nova York, já expressaram interesse anteriormente de se tornar a sede do projeto da Amazon, visando os 25 mil empregos que a empresa garante gerar em poucos meses. Já Nashville, no Tennessee, que tem um escritório da empresa com 5 mil pessoas, também disse que está aberta a assumir um papel maior.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ventos contrários

Renova Energia não consegue “proteção” contra minoritários da própria empresa

Empresa perdeu ação no TJ-SP que tentata impedir os acionistas de produzirem provas contra a empresa, relativas à investigação sobre desvio de recursos

Preocupação

Vidas secas? Bolsonaro admite que Brasil vive “enorme crise hidrológica”

Presidente citou a falta de chuvas como um dos grandes problemas econômicos do país, juntamente com os efeitos causados pela pandemia

MESA QUADRADA

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, diz Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades entrevistado no 7º episódio do Mesa Quadrada

Em em conversa para o podcast Mesa Quadrada, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita, conversam sobre dinheiro e carreira com Bob Wolfenson, ícone da fotografia brasileira

Situação preocupante

Cuidado com as luzes acesas! Aneel mantém taxa adicional mais alta na contas de agosto

Tarifa cobrada na bandeira vermelha nível 2 é de R$ 9,49 por 100 quilowatts-hora (kWh), e agência continua avaliando se vai elevar o valor

O melhor do Seu Dinheiro

Os melhores investimentos do mês e as notícias que foram destaque na semana

lém do ranking, tivemos o Ibovespa em queda de 2,60, e uma entrevista exclusiva com o CEO da Ânima Educação, que busca um “modelo Magalu”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies