Menu
2019-11-21T15:52:38-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Otimismo

Para o Credit Suisse, 2020 é o ano dos emergentes — e o Brasil tende a ser um dos destaques

A equipe de análise do Credit Suisse aposta nos mercados emergentes para 2020. E, nesse grupo, as ações e ativos do Brasil aparecem entre as principais recomendações

21 de novembro de 2019
15:52
Touro grande saindo de dentro do ibovespa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As grandes casas de análise tiraram o dia para revelar seus cenários de investimento em 2020 — e indicar um forte otimismo em relação ao Brasil. Depois de J.P. Morgan e BTG Pactual mostrarem-se confiantes com as perspectivas para o país, o Credit Suisse juntou-se ao coro: quem quiser ganhar dinheiro no ano que vem deve olhar com carinho para as ações e os demais mercados brasileiros.

Num extenso relatório, a equipe de análise chefiada por Andrew Garthwaite diz que as ações de países emergentes como um todo estão bem posicionadas para terem um bom desempenho em 2020. E, dentro desse grupo, o Brasil tem tudo para ser uma das estrelas.

Em primeiro lugar, a instituição diz ter "grande convicção" de que os emergentes tendem a ir melhor que os desenvolvidos no ano que vem. E, partindo desse pressuposto, o Credit Suisse manteve a recomendação 'overweight' (desempenho acima da média) para o grupo, recomendando que os clientes aumentem a exposição a esses mercados.

"Apesar das preocupações em relação à desaceleração da China, à guerra comercial e ao dólar forte, as ações dos emergentes estão baratas demais", escrevem os analistas, ressaltando que o momento econômico desses países, as revisões positivas nos resultados corporativos e a estabilização na indústria chinesa dão suporte ao otimismo.

Essa visão positiva não se restringe ao mercado de ações: segundo o Credit Suisse, as moedas de países emergentes estão nos níveis que eram vistos nos tempos da crise asiática, o que faz com que elas sejam boas opções de investimento no momento — a exceção é o yuan chinês, em meio à disputa comercial entre Pequim e Washington.

E o Brasil?

Garthwaite e sua equipe mostram-se particularmente empolgados com o Brasil, afirmando que o país tem "a melhor combinação entre atraso no ritmo de produção e forte momento econômico, entre todas as regiões analisadas". O país segue com recomendação 'overweight' entre os emergentes.

A economia brasileira, afinal, é a única que apresenta revisões positivas para o crescimento e negativa para a inflação. "As taxas de juros, quando ajustadas pela inflação, não estão tão baixas quando comparadas com os Estados Unidos, apesar de os spreads nominais estarem atingindo as mínimas históricas. Assim, esse cenário deve atrair capital ao Brasil", diz o Credit Suisse.

Quanto ao real, a instituição diz que a moeda parece "barata", levando em conta o volume de exportações do Brasil e o superávit quase recorde no balanço de pagamentos.

Por fim, a instituição destaca que a agenda de reformas estruturais no país continua avançando, e que a conclusão da reforma da Previdência deve afastar a economia brasileira do trajeto de forte aumento na dívida.

O que comprar?

Considerando todo esse otimismo, o Credit Suisse recomenda algumas ações para quem quiser surfar a onda positiva para os mercados brasileiros em 2020, com destaque para os papéis do setor financeiro — a  instituição, no entanto, não estabelece uma meta a ser atingida pelo Ibovespa no ano que vem.

Numa carteira com sete ativos, quatro pertencem a esse universo. Bradesco PN (BBDC4), Banco do Brasil ON (BBAS3), BB Seguridade ON (BBSA3) e Itaúsa PN (ITSA4). Além delas, também são citadas BR Malls ON (BRML3), JBS ON (JBSS3) e BR Distribuidora ON (BRDT3).

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

um risco no radar

Por coronavírus, Arábia Saudita avalia romper aliança com a Rússia no setor de petróleo

Os dois lados têm colaborado desde dezembro de 2016 para tentar equilibrar a oferta global, em meio a um salto na oferta do xisto vinda dos EUA

presidente vai aos EUA

Bolsonaro diz ter intenção de trazer a Tesla, de Elon Musk, para o Brasil

Filho do presidente já havia declarado a intenção; Ele disse ter participado de teleconferência com o ministro da Ciência e Tecnologia para tratar sobre o assunto

Exile on Wall Street

O tamanho certo da sua proteção para este Carnaval

*Por Bruno Mérola

de olho nas cifras

Rombo nas contas externas soma US$ 11,8 bilhões em janeiro

Resultado é o pior resultado para o mês desde 2015, quando houve déficit de US$ 12,011 bilhões

mercados agora

Dólar bate R$ 4,40 pela primeira vez na história; Ibovespa cai mais de 1%

O mercado local novamente é afetado pela cautela no exterior, fazendo a moeda norte-americana testar um novo recorde; no ano, a alta do dólar à vista já é de mais de 9%

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

De olho no futuro

Montadoras investem em postos de recarga para fomentar híbridos

Volkswagen se une assim a empresas como BMW, Volvo e à própria parceria em que participa com Volkswagen e Porsche na instalação de pelo menos outros 680 pontos de abastecimento, vários deles com tecnologias de recarga rápida

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para você começar o dia bem informado

2019 poderia ter sido um dos melhores anos da história da Vale, especialmente pela alta de mais de 30% no preço do minério de ferro. A tragédia de Brumadinho mudou severamente esse quadro e levou a empresa a um prejuízo de US$ 1,7 bilhão no ano todo, conforme números divulgados ontem à noite. A sexta-feira […]

do setor imobiliário para a bolsa

Incorporadora One e construtora Pacaembu pedem registro de IPO

Empresas esperam recursos para pré-pagamento de empréstimos, expansão e reforço de capital de giro

sinal verde

Anac autoriza Virgin Atlantic, do bilionário Richard Branson, a operar no Brasil

Segundo o órgão regulador, a empresa manifestou interesse em voar, a partir de março deste ano, entre as cidades de Londres e São Paulo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements