Menu
2018-11-22T12:32:19-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Impostos

“Ou governo aprova a reforma tributária agora ou não aprova mais”, diz Hauly

Deputado disse que existe um consenso em torno da aprovação do projeto, mesmo antes da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro

22 de novembro de 2018
11:37 - atualizado às 12:32
deputado federal Luiz Carlos Hauly
Imagem: Raul Junior/BTG

Ou aprova agora ou não aprova mais. Foi em um tom de ultimato que o deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) defendeu a proposta de reforma tributária, da qual é relator, em tramitação no Congresso.

O projeto do deputado prevê a unificação de nove tributos com a criação do Imposto sobre Valor Agregado (IVA). Hauly disse que hoje existe um consenso em torno da aprovação da reforma, mesmo antes do presidente eleito Jair Bolsonaro assumir o cargo.

"A reforma tributária é suprapartidária. É pegar ou largar", disse Hauly, que participa hoje de evento promovido pelo BTG Pactual.

Na terça-feira, Hauly esteve no Centro Cultural Banco do Brasil, onde está reunido o governo de transição e disse que obteve autorização para colocar sua equipe em contato com a equipe técnica do governo. Mas ele não teria sido autorizado a articular sua proposta.

A proposta de Hauly, no entanto, difere da defendida por Paulo Guedes e Marcos Cintra em outras ocasiões. Os dois defenderam um modelo de simplificação tributária, com eliminação de diversos impostos e instituição de um tributo sobre movimentação financeira. Além disso, por se tratar de emenda à constituição, a proposta não teria como ser votada ainda em 2018.

Potencial

Uma mudança no sistema de impostos brasileiro teria um potencial de adicionar 10% ao Produto Interno Bruto (PIB) em um prazo de 10 a 20 anos, segundo Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal.

A proposta de Appy, que é diferente da que está no Congresso, prevê uma de dez anos transição para o novo sistema, com a criação do IVA. A ideia é dar tempo para a adaptação de empresas que fizeram investimentos sob sistema atual.

A receita obtida pelo IVA iria para o destino da mercadoria ou serviço, mas com um prazo de 50 anos de transição para evitar a resistência de Estados e municípios que sairiam perdendo. "Mas com o efeito positivo da reforma tributária sobre economia não haveria perdedores", disse Appy.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Topo da lista

Ricardo Barros diz que reforma tributária é prioridade do governo

“É desejo do presidente uma reforma tributária que simplifique e modernize os impostos sem aumento de carga tributária”, afirma Barros.

É dia de feira?

Maia diz que meta flexível em 2021 é ‘jabuticaba brasileira’

O governo resolveu abandonar uma meta fixa de resultado primário no ano que vem.

A queridinha de Wall Street

Ações da Tesla, de Elon Musk, sobem forte após recomendação do Goldman Sachs

A forte alta anual dos papéis ganhou ainda mais força depois da inclusão da Tesla no S&P 500, a partir de 21 de dezembro.

em busca de recursos

Empresas do agronegócio se preparam para ir à Bolsa; veja candidatas

Seis empresas do segmento já entraram com o pedido na CVM; setor, que há tempos sustenta o PIB brasileiro, vinha distante das ofertas de ações

OTIMISMO

Guedes admite PIB um pouco abaixo do esperado, mas vê economia voltando

Resultado leva Ministério da Economia a defender fim dos auxílios emergenciais adotados durante a pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies