Menu
2018-11-22T14:15:14-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Reformas

Reforma da Previdência: O presidente tem de se convencer antes de qualquer coisa

Fabio Giambiagi e Paulo Tafner destacam a importância de Jair Bolsonaro assumir essa bandeira para convencer a população da importância da medida

22 de novembro de 2018
11:03 - atualizado às 14:15
BTG-Macro-Day-Previdencia
Imagem: Raul Junior

Dois dos maiores especialistas em Previdência do Brasil, Fabio Giambiagi e Paulo Tafner, destacaram em evento do BTG Pactual que mais importante que o modelo de reforma que se pretende é a postura do presidente eleito, Jair Bolsonaro, com relação ao tema.

“Se ele [Bolsonaro] assumir essa bandeira e com o caminhão de votos que teve, acho que ele aprova a reforma que ele quiser”, disse Giambiagi.

“A reforma da Previdência não pode ser a reforma do João, do Pedro, do Tafner. Tem que ser a reforma do presidente. Ele tem de estar convencido da mudança”, afirmou Tafner.

Giambiagi fez um discurso mostrando que a reforma da Previdência é uma batalha cultural. Deu como exemplos experiências que teve no governo Lula, que soube ouvir a opinião majoritária nos levando ao “descalabro” fiscal que nos encontramos, e da Venezuela, onde trabalhou como economista de organismo internacional.

Para Giambiagi, o cidadão médio tem a visão de que o INSS é um provedor paternalista e citou exemplo de um idoso que se casou pouco antes de morrer, com uma moça de 27 anos, para deixar uma pensão para ela.

“Isso é uma aula de Brasil. Síntese de como chegamos até aqui”, disse.

Paulo Tafner lembrou que foi um dos primeiros pesquisadores a notar o aumento nos casamentos intergeracionais.

“O cara é pobre, mas não é burro. Ele faz conta. A regra está errada, não as pessoas”, disse.

Segundo Giambiagi, o verdadeiro estadista é que aquele que fala à população que estamos indo par ao lado errado, que se seguirmos nesse caminho, o futuro será desastroso.

Assim, disse Giambiagi, há alguns atributos que um governo precisa ter para levar uma reforma da previdência adiante. O primeiro é ter o diagnóstico, o segundo é a convicção, pois a pessoa “precisa estar convencida” da importância do tema. Também é preciso energia, pois o processo é desgastante. Persuasão é a palavra-chave, seguida pela capacidade de articulação. Neste ponto o presidente “precisa arregaçar as mangas” para convencer a população, indo a programas de TV e afins. “Essa é uma reforma que pode ser defendida olhando nos olhos dos eleitores”, disse.

Tafner coordenou um grupo que apresentou um modelo de reforma para o presidente eleito, que pode resultar em impacto de R$ 1,3 trilhão em uma década. O projeto ataca o regime geral, dos Estados, dos militares e dos policiais. Não há previsão de novo imposto e há a instituição de um regime de capitalização para os nascidos a partir de 2014.

Também está contemplada a desvinculação dos benefícios do salário mínimo e a instituição de um benefício universal a partir dos 65 anos, para as pessoas que contribuíram ou não. Mas essa renda universal seria de 70% do salário mínimo.

Tafner chamou atenção para o fato de que o modelo atual transfere 11 mais renda para os idosos do que para as crianças. O Brasil, assim, investe no seu passado e isso foi uma escolha da sociedade.

Sobre as críticas com relação a direitos adquiridos e medidas constitucionais, Tafner disse que “diretos” não são respeitados pela demografia e pela base material.

“A demografia atropelou a Constituição”, disse Tafner.

Para Tafner, se o governo “comprar” a proposta desenhada por ele e sua equipe, é possível que até o terceiro trimestre de 2019 esteja tudo votado. A proposta pode ser encaminhada em fases. Primeiro as medidas que tratam de regime próprios, militares e policiais, que precisam de 257 votos, algo que certamente Bolsonaro terá. Depois, ou em paralelo, se discute a proposta de emenda constitucional que que atinge a maioria dos trabalhadores.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Negócio fechado

Petrobras assina venda de sua fatia de 50% no campo terrestre de Rabo Branco

O campo teve produção média em 2020 de 131 barris de petróleo por dia (bpd).

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Fundo Verde e a tragédia grega do Brasil

Ao despertar a fúria de Zeus por ter entregue o fogo do Olimpo aos mortais, Prometeu foi acorrentado e punido: durante o dia, uma águia devorava seu fígado; durante a noite, o órgão se regenerava — um ciclo de tormento eterno. Tragédias gregas, infelizmente, costumam ser úteis ao falarmos sobre o Brasil. Reformas econômicas demandam […]

FECHAMENTO

Commodities amenizam a queda da bolsa, mas exterior negativo e nova crise em Brasília falam mais alto

As commodities mais uma vez tentaram salvar a bolsa brasileira de um dia no vermelho, mas o exterior negativo e a cautela em Brasília falaram mais alto

Presidente otimista

EUA devem ter retomada econômica mais rápida em quase 40 anos, diz Biden

Segundo o democrata, o foco de seu governo se manterá em criar empregos e combater a pandemia de covid-19

Gestão na crise

Brasil vive uma espécie trágica de dia da marmota, diz Verde Asset

Navegar os mercados locais vem sendo uma odisseia extremamente complexa e nada indica que vai melhorar, diz a gestora de Luis Stuhlberger

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies