Menu
2019-04-04T14:42:16-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Novos cortes de produção

Opep faz movimentos com a tesoura, e preço do petróleo dispara nos mercados

Membros da organização planejam cortar sua produção em cerca de 1 milhão de barris no ano que vem

12 de novembro de 2018
9:45 - atualizado às 14:42
opep
OPEP - Imagem: Andrei Moraes/Seu Dinheiro

Bastou Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) sinalizar a necessidade de seus membros realizarem novos cortes na produção de petróleo para o preço da commodity ir para as alturas. Em reunião feita em Abu Dhabi, os produtores da Opep disseram que será preciso cortar a oferta em cerca de 1 milhão de barris em 2019. Espera-se que uma decisão final sobre o assunto seja tomada em encontro da organização previsto para o próximo mês.

A informação veio como um injeção de adrenalina e o petróleo disparou durante a madrugada de domingo para segunda-feira. Na abertura da semana, no entanto, a alta era mais modesta: o barril do Brent para janeiro avançava 1,30% na ICE, a US$ 71,10, enquanto o WTI para dezembro tinha alta de 0,76% na Nymex, a US$ 60,65.

Obcecados pelo equilíbrio

Nesta segunda-feira, o ministro de Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, disse que tanto os membros da Opep quanto outros produtores que não integram o grupo, devem fazer o que for necessário para equilibrar o mercado de petróleo.

Ele disse que os países terão de cortar sua produção combinada se os atuais níveis de oferta e demanda persistirem. Somente a Arábia Saudita Arábia Saudita planeja cortar sua produção em 500 mil barris por dia em dezembro.

Khalid aproveitou sua fala para colocar uma pá de cal nos rumores sobre o fim da Opep. Para ele, nos círculos políticos, não há "discussão de forma alguma" sobre a possibilidade de se eliminar a organização.

Separadamente, o presidente da Opep, Suhail Al Mazroui, disse hoje que os produtores não irão gerar uma situação de oferta excessiva, a menos que haja necessidade. Já o secretário-geral da entidade, Mohammad Barkindo, previu que 2019 será um ano difícil.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

capítulo final

Acionistas da Klabin aprovam acordo para encerrar pagamentos para uso da marca

Dona da marca que dá nome à empresa, Sogemar será incorporada, em acordo que envolve repasse de ações

NÚMEROS DA PANDEMIA

Covid-19: Brasil tem 171 mil mortes e 6,2 milhões de casos acumulados

Nas últimas 24 horas foram apurados 37.614 diagnósticos positivos para a doença e 691 óbitos, diz Ministério da Saúde

setor em crescimento

Magalu, Via Varejo ou B2W: quem ganha na disputa pelas vendas na Black Friday?

As três gigantes do comércio eletrônico devem crescer forte na Black Friday da quarentena, depois de um ano marcado pelo avanço do online

Sextou com o Ruy

Por que o mercado só fala em rotação das carteiras (e o que você deveria fazer)

A resposta me parece ser ter uma carteira balanceada, com boas companhias que conseguirão sobreviver a novos lockdowns caso eles aconteçam, e também com empresas ligadas à tecnologia

atenção, acionista

Itaú Unibanco anuncia pagamento de juros sobre capital próprio

Segundo a empresa, os valores serão pagos com base na posição acionária do dia 10 de dezembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies