Menu
2018-12-19T14:21:24-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro Americano

O Federal Reserve está em corner?

Mercados, renomados especialistas e Trump deixam comitê do Banco Central americano em posição complicada

19 de dezembro de 2018
11:51 - atualizado às 14:21
Boxe-Lutadores-Corner
Imagem: Shutterstock

Os mercados locais e externos têm um tom positivo nesta quarta-feira e o assunto é um só: a decisão de juros do Federal Reserve (Fed), banco central americano, que será anunciada às 17 horas (horário de Brasília).

Falamos no assunto ontem, ponderando que mais relevante que a decisão é avaliar que os Estados Unidos estão no fim do seu ciclo de recuperação econômica, e desde então os apelos para uma mudança na orientação da política monetária americana só fizeram aumentar.

Além de Donald Trump e seus afiados “tuites”, editorial do "Wall Street Journal" também fez apelos à uma reconsideração da estratégia de ajustes graduais e até um ex-presidente do Fed Alan Greenspan reapareceu para falar que os investidores devem “run for cover” e se prepararem para o pior. O que gerou algumas manifestações jocosas de agentes de mercado, pois é sabido que se deve fazer sempre o contrário do que Greenspan disser.

Enfim, o presidente do Fed, Jerome Powell, e os demais membros do órgão equivalente ao nosso Comitê de Política Monetária (Copom) enfrentam uma difícil situação. O Fed está em corner. Como o lutador encurralado do boxe, não importa para que lado pender, vai tomar porrada.

Podem manter o plano de voo de confirmar uma elevação de juros, hoje, para 2,25% a 2,5%, manter o aceno de três novas altas para 2019 e colher uma reação negativa do mercado, que já está colocando no preço uma desaceleração da atividade.

Também podem fazer o que estão chamando de “dovish hike” ou aperto “pombo”, sendo que “pombo” em política monetária denomina um BC de postura menos conservadora. Essa estratégia seria formada pela elevação de juro nesta quarta seguida de uma comunicação mais acomodativa com relação ao futuro.

E podem, ainda, não subir os juros e adotar uma abordagem mais “data dependent” para os próximos passos da política monetária. Essa estratégia é defendida por alguns agentes que apontam para a acentuada queda do petróleo como um fator a reduzir eventual pressão inflacionária.

O fato é que o mercado quer ver uma confirmação de suas expectativas (wishful thinking) e isso vai ter algum custo para o Fed por mais que ele atue embasado em suas projeções, expectativas e na parte mais discricionária existente em todo comitê de política monetária, que é a crença pessoal de seus membros.

No fim, a decisão em si parece perder um pouco de relevância e o que importará mesmo é qual interpretação será dada. Um Fed insensível aos movimentos de mercado, mas respeitado por seu compromisso com a inflação, ou um Fed suscetível aos desarranjos de Wall Street e aos “tuites” do presidente Trump?

Por aqui, o nosso BC já disse como atua diante de cenários incertos na ata se dua última reunião, divulgada ontem:

“Os membros do Copom ponderaram que cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária, inclusive diante de cenários voláteis, têm sido úteis na perseguição de seu objetivo precípuo de manter a trajetória da inflação em direção às metas.”

 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

nas redes

Pandemia faz presidente perder seguidores, diz FGV

Para o diretor de Análise de Políticas Públicas da FGV, Marco Aurélio Ruediger, o governo falhou na avaliação sobre o impacto que a pandemia teria

entrevista

‘JBS abriu 3 mil vagas em maio à pandemia’, diz presidente da empresa

Empresa tem sofrido, especialmente no sul do País, questionamentos pelo alto índice de contaminação de funcionários por covid-19

esquenta dos mercados

Exterior positivo em dia de payroll deve impulsionar a bolsa brasileira

Mercado acionário global volta a mostrar otimismo com a reabertura econômica e pacotes de estímulos para recuperação da economia. O destaque do dia é a divulgação do payroll americano

país não é bem visto por democratas

Comitê da Câmara dos EUA se opõe a acordo com o Brasil

Ex-embaixador em Washington, Rubens Ricupero afirma que a carta dos democratas da Ways and Means “enterra” qualquer possibilidade de acordo

medida anticrise

Governo deve estender auxílio emergencial por mais dois meses

Equipe econômica avalia editar uma medida provisória para ampliar o período de duração do benefício, criado para dar suporte a trabalhadores informais, autônomos, desempregados e microempreendedores individuais

dinheiro no caixa

Centauro levanta R$ 900 milhões em oferta de ações

Empresa deve usar os recursos para o financiamento de aquisições de empresas em curso e futuras que possam contribuir para a execução de sua estratégia de crescimento

em meio à crise

Governo transfere R$ 83,9 milhões do Bolsa Família para investir em propaganda

Medida atinge os recursos previstos para a região Nordeste do País; Secom já havia aumentado para R$ 17,8 milhões suas despesas com propaganda

Entrevista

Vitreo não será “mais uma” plataforma de investimentos na concorrência com XP, diz CEO

Patrick O’Grady conta por que a Vitreo, que possui hoje R$ 4,5 bilhões e 60 mil clientes, decidiu entrar na disputa pelo território ocupado hoje por mais de duas dezenas de corretoras, bancos e fintechs

SEXTOU COM RUY

As grandes vencedoras na crise e o “vício” das perdedoras no lucro

O problema dessas empresas “reloginho” – com lucros estáveis e recorrentes – é que elas atraem acionistas que só conseguem pensar nos dividendos

Balanço da covid no país

Brasil supera Itália em número de mortes por coronavírus e chega a 34 mil

O Brasil registrou 34.021 mortes provocadas pelo coronavírus até agora. Há 614.941 casos confirmados da doença em todo o país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements