Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CEO da Empiricus
2018-09-22T15:49:46-03:00
Corrida eleitoral

Sobre mitos e mitômanos

Em todas as disputas relevantes entre economia e política, essa última saiu vitoriosa. Retórica também costuma dar um pau na técnica

17 de setembro de 2018
10:30 - atualizado às 15:49
Paulo Guedes, economista de Bolsonaro
Paulo Guedes, futuro Ministro da Fazenda de Bolsonaro - Imagem: Reprodução/Globonews

Faltam ainda três semanas. É impressionante o espectro de coisas que podem acontecer em três semanas. Ativos baratos podem ficar caros. O real pode se vingar do dólar. Um pré de 12,25% pode virar 11,00%.

Em que se pesem vários cenários em aberto ainda, as últimas pesquisas vão gradativamente se afunilando para uma disputa mais específica entre Bolsonaro e Haddad.

Mesmo os outros candidatos começam a admitir isso implicitamente… e a reagir de acordo.

No Estadão de domingo, Persio Arida endureceu o discurso contra os dois primeiros. Quando perguntado se Bolsonaro é o maior risco, respondeu que "se Haddad de fato for o Lula, é um risco também".

Mas a manchete da entrevista ficou mesmo com Paulo Guedes, a quem Arida chamou de mitômano.

Ministros da Fazenda mitômanos acreditam ter algum poder, ou – muito pior – acreditam ter mais poder do que o presidente. Sua falácia é a da pretensa supremacia da economia sobre a política, e da técnica sobre a retórica.

Em todas as disputas relevantes entre economia e política, essa última saiu vitoriosa. Retórica também costuma dar um pau na técnica.

O ministro da Fazenda FHC pouco entendia de economia. Soube extrair o máximo capital político do Plano Real.

Por outro lado, o também Chicago Boy Joaquim Levy sabe mais de economia do que Paulo Guedes, e tem longa experiência em vida pública. Ainda assim, nada pôde fazer para evitar o Fim do Brasil de Dilma Rousseff.

Não me baseio aqui em qualquer preferência eleitoral própria, não é minha função. Baseio-me apenas na preferência de infinitos outros que compõem a convenção do mercado.

Indo hoje pelo que o mercado acredita – o mercado se permite acreditar em mitos e mitômanos – imagino duas possíveis reversões à média.

Na primeira, investidores se empolgam inicialmente com Paulo Guedes eleito, mas, depois de uns meses, descobrem que elegeram Bolsonaro.

Na segunda, investidores fogem de pânico com a vitória do Haddad, que é de fato o Lula, mas depois de uns meses descobrem que Haddad é de fato o Haddad (assim como Dilma era de fato a Dilma).

Talvez, no fim das contas, reverteremos todos à mesmíssima média - seja pelo sobe e desce de Bolsonaro, seja pelo desce e sobe de Haddad.

O verdadeiro mito nacional é o de Macunaíma, o do herói sem nenhum caráter, o da valorização amoral que cabe aos ativos de risco tupiniquins.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Rebatendo as críticas

Nenhum governo tem prática tão liberal quanto este, diz Salim Mattar

Secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro disse que gasta 80% do tempo para “descontruir o legado” que foi deixado por gestões anteriores

Nova cartada do bilionário

Warren Buffett vende seu império de jornais por US$ 140 milhões e deixa o setor de imprensa

A Berkshire Hathaway, conglomerado de investimentos administrado por Warren Buffett, vendeu hoje sua divisão de jornais à Lee Enterprises

Caixa vai fazer “road show” de IPO da Caixa Seguridade em todos os Estados

O banco pretende fazer a abertura de capital das subsidiárias de seguridade e de cartões neste ano. As outras duas unidades – loterias e gestora de fundos – devem demorar um pouco mais

martelo batido

CVM fecha acordo de R$ 450 mil em caso envolvendo executivos da Biosev

Processo era movido contra três ex-executivos da processadora de cana-de-açúcar; cada um vai ter que pagar R$ 150 mil

pingos os is

Investigação não encontrou irregularidades e não há mais nada a esclarecer, diz presidente do BNDES

Auditoria custou R$ 42,7 milhões; investigações internas do banco não encontraram nenhuma irregularidade nas operações

hora do balanço

Bancos liberam mais crédito no Brasil, mas custo segue elevado

Taxas de juros cobradas de empresas e famílias seguiram em níveis elevados. segundo dados do BC

Painel com gestores

Stuhlberger vê bolha se formando na bolsa, mas segue aplicado

Lendário gestor da Verde Asset diz que “olha porta de saída” da bolsa, mas vê boas perspectivas com avanço do PIB de consumo

olho nos números

Taxa do cheque especial cai para 302,5% em dezembro

Desde julho de 2018, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200.

balanço

Crise do 737 Max faz Boeing ter o primeiro ano de prejuízo desde 1997

Empresa perdeu US$ 636 milhões em 2019, após apresentar prejuízo de US$ 1,01 bilhão no quarto trimestre – analistas esperavam por lucro de US$ 636 milhões no período

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements