Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CIO da Empiricus
2018-09-22T15:49:46-03:00
Corrida eleitoral

Sobre mitos e mitômanos

Em todas as disputas relevantes entre economia e política, essa última saiu vitoriosa. Retórica também costuma dar um pau na técnica

17 de setembro de 2018
10:30 - atualizado às 15:49
Paulo Guedes, economista de Bolsonaro
Paulo Guedes, futuro Ministro da Fazenda de Bolsonaro - Imagem: Reprodução/Globonews

Faltam ainda três semanas. É impressionante o espectro de coisas que podem acontecer em três semanas. Ativos baratos podem ficar caros. O real pode se vingar do dólar. Um pré de 12,25% pode virar 11,00%.

Em que se pesem vários cenários em aberto ainda, as últimas pesquisas vão gradativamente se afunilando para uma disputa mais específica entre Bolsonaro e Haddad.

Mesmo os outros candidatos começam a admitir isso implicitamente… e a reagir de acordo.

No Estadão de domingo, Persio Arida endureceu o discurso contra os dois primeiros. Quando perguntado se Bolsonaro é o maior risco, respondeu que "se Haddad de fato for o Lula, é um risco também".

Mas a manchete da entrevista ficou mesmo com Paulo Guedes, a quem Arida chamou de mitômano.

Ministros da Fazenda mitômanos acreditam ter algum poder, ou – muito pior – acreditam ter mais poder do que o presidente. Sua falácia é a da pretensa supremacia da economia sobre a política, e da técnica sobre a retórica.

Em todas as disputas relevantes entre economia e política, essa última saiu vitoriosa. Retórica também costuma dar um pau na técnica.

O ministro da Fazenda FHC pouco entendia de economia. Soube extrair o máximo capital político do Plano Real.

Por outro lado, o também Chicago Boy Joaquim Levy sabe mais de economia do que Paulo Guedes, e tem longa experiência em vida pública. Ainda assim, nada pôde fazer para evitar o Fim do Brasil de Dilma Rousseff.

Não me baseio aqui em qualquer preferência eleitoral própria, não é minha função. Baseio-me apenas na preferência de infinitos outros que compõem a convenção do mercado.

Indo hoje pelo que o mercado acredita – o mercado se permite acreditar em mitos e mitômanos – imagino duas possíveis reversões à média.

Na primeira, investidores se empolgam inicialmente com Paulo Guedes eleito, mas, depois de uns meses, descobrem que elegeram Bolsonaro.

Na segunda, investidores fogem de pânico com a vitória do Haddad, que é de fato o Lula, mas depois de uns meses descobrem que Haddad é de fato o Haddad (assim como Dilma era de fato a Dilma).

Talvez, no fim das contas, reverteremos todos à mesmíssima média - seja pelo sobe e desce de Bolsonaro, seja pelo desce e sobe de Haddad.

O verdadeiro mito nacional é o de Macunaíma, o do herói sem nenhum caráter, o da valorização amoral que cabe aos ativos de risco tupiniquins.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

retomada econômica

Sem Petrobras e Vale, lucro das empresas deve crescer 14% em 2021

Análise foi feita pelo BTG e compara as perspectivas sobre os resultados de 2019; expectativa melhorou em relação ao relatório anterior

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

INSISTÊNCIA

Repaginada, CPMF volta ao debate na reforma tributária

Pelo acordo em construção, novo imposto seria incluído na proposta de reforma tributária que tramita na Câmara dos Deputado

Cenário desfavorável

Caixa Seguridade interrompe análise de oferta de ações pela segunda vez

Depois deinterromper a análise em março, o processo havia sido retomado em julho

mercado agora

Ibovespa sobe em busca de recuperação, mas aversão ao risco no exterior atrapalha

Aversão ao risco no exterior tende a limitar amplamente a tentativa de recuperação do Ibovespa; dólar segue em alta, buscando os R$ 5,60

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu