2018-10-07T22:16:41-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Bolsonaro parte em vantagem, diz cientista político Adriano Gianturco

Para especialista, candidato do PSL tem armas fortíssimas para atacar Haddad

7 de outubro de 2018
21:54 - atualizado às 22:16
Fernando Haddad e Jair Bolsonaro - Imagem: Flickr/Fotos Públicas

Fazendo uma conta rápida, o coordenador do curso de Relações Internacionais do IBMEC e professor de Ciência Política, Adriano Gianturco, avalia que mesmo que somarmos os votos de Fernando Haddad, Ciro Gomes e Geraldo Alckmin não se chega aos votos obtidos por Bolsonaro.

Uma ponderação é a incerteza com relação às abstenções e como isso vai se refletir no voto. Mas Gianturco afirma que Bolsonaro parte em vantagem. Com relação às alianças, fatia relevante do chamado Centrão já migrou para o candidato do PLS.

O caso do PSDB é um pouco mais complicado, mas para o especialista, o partido deve rachar e partir para o apoio a Bolsonaro usando a agenda econômica liberal como discurso.

Em eventuais debates, Gianturco acredita que Bolsonaro tem duas armas fortíssimas para atacar Haddad. Que o candidato é um fantoche do Lula e que o PT gestou a segunda maior crise econômica da história do país.

“Se houver debates ele vai destruir facilmente o Haddad na percepção da população”, acredita. “Se ele não falar besteira, ele ganha.”

Ainda de acordo com Gianturco, o establishment ainda não entendeu como tratar Bolsonaro. Os ataques chamando o candidato de “nazista”, “fascista” ou “ameaça à democracia” não ecoam na população, que sabe que isso é uma mentira. “Chamar de nazista chega a ser ridículo e gera antipatia em quem faz essa coisa”, explica.

Outro ponto relevante é a conquista do eleitor mediano, pois os extremos já estão definidos. Para o especialista, que é autor do livro “A Ciência da Política”, o candidato que ganha é aquele que converge para o centro, buscando esse eleitor que não necessariamente é um "moderado".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

DESTAQUES DO DIA

Commodities brilham e Gerdau (GGBR4), Braskem (BRKM5) e PetroRio (PRIO3) puxam recuperação do Ibovespa

Enquanto o Ibovespa sobe mais de 1%, o bom desempenho das empresas ligadas ao setor de commodities puxam a recuperação do índice

Bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin começa dezembro em alta e se mantém nos US$ 58 mil; Terra (LUNA) e Shiba Inu (SHIB) são destaques entre as altcoins

As criptomoedas deixam para trás um final de mês difícil e avançam apesar das últimas declarações da secretária do Tesouro dos EUA sobre a regulamentação de stablecoins

Conteúdo NovaDAX

NovaDAX diversifica portfólio com listagem de cinco novas moedas

Os investidores da plataforma agora tem mais opções de trade

BURACO NEGRO

Empresa de Elon Musk à beira da falência? Bilionário admite que o risco é real se a SpaceX não decolar

Em e-mail enviado aos funcionários, CEO descreve a existência de uma crise muito pior do que a imaginada no desenvolvimento dos motores Raptor

Índice em expansão

Casa cheia: Porto Seguro (PSSA3) e Positivo (POSI3) entram na primeira prévia do novo Ibovespa

As units da GetNet (GETT11) foram excluídas da carteira nessa primeira prévia; com isso, o Ibovespa começaria 2022 com 93 ativos