Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T16:02:45-03:00
Estadão Conteúdo
Votação apertada

STF arquiva inquérito que investiga André Esteves, sócio do BTG Pactual

Banqueiro era alvo de investigação por suposta participação no ‘Quadrilhão do MDB’ ; inquérito foi desmembrado na Justiça Federal em 2017

6 de dezembro de 2018
6:43 - atualizado às 16:02
André Esteves
Imagem: Reprodução/Youtube

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira, 5, por 5 votos a 4, pelo arquivamento do inquérito que investigava o banqueiro André Esteves, sócio do BTG Pactual, por suposta participação em uma organização criminosa conhecida como "quadrilhão" do MDB. A decisão de arquivamento foi dada por meio de um habeas corpus de ofício, ou seja, por iniciativa da Corte, sem que a defesa tenha feito o pedido.

A investigação contra Esteves tramitava na 10º Vara Federal do Distrito Federal desde que foi desmembrada pelo Supremo em dezembro de 2017. Os ministros tiraram das mãos do então juiz Sérgio Moro a ação por entender que o caso não tinha relação com a Petrobras. No inquérito, eram investigados o presidente Michel Temer e os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha. Com a decisão, em 2019, quando a ação de Temer poderá ser retomada, as apurações não serão conduzidas pela Lava Jato em Curitiba.

O caso julgado nesta quarta-feira chegou ao Supremo por meio de embargos de declaração apresentados pela defesa do banqueiro, que alegou existência de omissão, contradição e obscuridade no acórdão da Corte que determinou o desmembramento do inquérito. Os advogados de Esteves pediam que o Supremo analisasse o pedido de arquivamento do inquérito alegando que a investigação "nunca se fundou em um único indício verdadeiro e importante".

Primeiro a votar, o relator do caso, ministro Edson Fachin, rejeitou os embargos por entender que o acórdão do Supremo não apresenta ambiguidade, contradição, omissão e obscuridade, requisitos necessários para seu acolhimento, e que a defesa do banqueiro buscava rediscutir questão que já havia sido decidida pelo plenário da Corte, que declinou a competência. Os demais ministros acompanharam o relator e, por unanimidade, rejeitaram os embargos. A maioria dos magistrados, no entanto, seguiram a proposta do ministro Marco Aurélio Mello, que concedeu habeas corpus de ofício para arquivar o inquérito contra o banqueiro.

Apesar de concordar com o ministro Fachin que o acórdão do Supremo não apresenta ambiguidade, contradição, omissão e obscuridade, Marco Aurélio sugeriu o arquivamento das investigações em relação ao banqueiro por entender que não há novos elementos que justifiquem o prosseguimento das apurações. Marco Aurélio foi seguido pelos ministros Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli. Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Cármen Lúcia acompanharam Fachin. Os ministros Celso de Mello e Luiz Fux não participaram do julgamento.

O ministro Alexandre de Moraes afirmou em seu voto que não foram apresentados novos elementos que possibilitassem a reabertura do inquérito. "Aqui, estamos analisando os mesmos fatos pelos quais não houve denúncia do Ministério Público na 10ª Vara", disse. Ricardo Lewandowski destacou que o processo está parado há mais de um ano e que sem que nenhum novo fato tenha sido suscitado. "Acho que andaríamos bem se concedêssemos o habeas corpus de ofício, até porque, a qualquer momento, o inquérito pode ser desarquivado se surgirem novos fatos."

Para Barroso, que acompanhou Fachin, ao desmembrar o inquérito e enviá-lo à 10ª vara, o Supremo extinguiu sua competência de analisar o caso. "Deve o juiz da 10ª Vara verificar se os fatos são novos e distintos e, se não forem, acho que caberá a ele arquivar."

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Balanço do mês

Bitcoin, ouro e dólar se recuperam em julho, enquanto bolsa é um dos piores investimentos do mês

Fundos imobiliários também se saíram bem, depois que tributação dos seus rendimentos foi retirada da reforma do imposto de renda

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies