Menu
2018-12-20T11:21:28-02:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Reino Unido decide ir com calma...

Medo à vista: Banco da Inglaterra é mais cauteloso e mantém juro básico

Instituição prefere continuar com juros no mesmo patamar diante da intensificação das discussões sobre o Brexit e da desaceleração da economia mundial

20 de dezembro de 2018
11:21
Bandeiras do Reino Unido e da União Europeia
Imagem: shutterstock

Ao contrário da postura mostrada pelo FED ontem que anunciou uma alta de 25 pontos-base, o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) optou por ser mais cauteloso e manter o juro básico em 0,75%. A decisão foi unânime e já era esperada também por uma boa parcela dos analistas estrangeiros.

Na ata, o banco explica que a intensificação das incertezas causadas por conta da retirada do Reino Unido da União Europeia no chamado Brexit e a crescente preocupação diante das tensões e desaceleração das economias mundiais foram os principais motivos para a manutenção da taxa. O documento destaca também que o BoE deve esperar que o cenário fique mais claro no próximo ano para voltar a considerar novos aumentos.

Ainda sim, o Banco da Inglaterra destaca que tem interesse em aumentar as taxas de juros nos próximos três anos para fazer com que saída do país da União Europeia não gere desordem ou problemas maiores. A instituição já havia alertado anteriormente que se não houvesse um acordo para o Brexit, isso poderia gerar uma recessão imediata e que poderia ser pior do que a crise de 2008.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

recadinho

Relevância do cumprimento do teto no pós-crise será ainda maior, diz Tesouro

Tesouro Nacional reforçou o alerta de que é preciso acelerar as reformas para manter a confiança dos investidores e os juros baixos

impacto fiscal

Rombo nas contas do governo soma R$ 647,8 bilhões até agosto

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 87,835 bilhões de julho

GIGANTE DEBILITADO

Membro do Fed projeta contração de 3% do PIB dos EUA em 2020

Presidente da distrital de Dallas também estima crescimento de 3,5% da economia em 2021

compras em meio à crise

Cauteloso no início da pandemia, Warren Buffett investiu US$ 19 bilhões desde julho

No terceiro trimestre, a Berkshire Hathaway anunciou a compra de ativos de energia, aumentou participação em banco e até embarcou em um IPO de tecnologia

Mercado imobiliário

BofA está otimista com a construção civil e considera a Cyrela sua ação preferida do setor

Em relatório, analistas da instituição se mostraram otimistas com construtoras brasileiras e disseram que mercado imobiliário está apenas no começo de uma recuperação de vários anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements