2018-10-29T08:58:59-03:00
UNIÃO E 'URGÊNCIA'

O que os bancões falaram sobre a eleição de Bolsonaro

Os presidentes do Santander e Bradesco se manifestaram após o resultado da eleição no Brasil com mensagens que pedem união e urgência na retomada da rota de crescimento do país.

28 de outubro de 2018
22:43 - atualizado às 8:58
Imagem: shutterstock

Os presidentes do Santander e Bradesco se manifestaram após o resultado da eleição no Brasil com mensagens que pedem união e urgência na retomada da rota de crescimento do país.

O Bradesco cobra "sentido de urgência" do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para fazer o Brasil voltar a crescer de forma sustentada, de acordo com comunicado divulgado na noite deste domingo comentando o resultado das urnas. "A magnitude das tarefas que temos à frente recomenda sentido de urgência na adoção de ações e medidas que nos direcionem para uma vigorosa e sustentada retomada do crescimento", afirmou o presidente do conselho de administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi.

No mesmo texto, o presidente do banco, Octavio de Lazari Junior, disse que esta foi uma eleição diferente das experiências anteriores que o País teve. "Uma das razões é que ela aconteceu na saída de uma das mais graves crises econômicas já vividas pelo Brasil", disse ele, destacando que isso amplia bastante a "carga de expectativas" em relação ao aumento dos investimentos e criação de empregos.

"O PIB brasileiro nos posiciona entre as economias mais relevantes do planeta", afirma Lazari.

"Temos uma economia diversificada, empresários competitivos, trabalhadores eficientes e instituições republicanas que funcionam em sua plenitude." Nesse cenário, o executivo diz que "nos sentimos revigorados para dar início a um novo ciclo de reformas estruturais no sentido da modernização do Brasil". "Nós, da iniciativa privada, queremos oportunidades para trabalhar, investir e criar empregos", completou ele.

Ainda no texto, Trabuco destaca que as eleições de 2018 "fortaleceram o Brasil em sua condição de uma das maiores democracias do mundo". "Todos os candidatos expuseram suas propostas e a população escolheu o novo presidente da República de maneira livre e soberana", afirmou o executivo, que era presidente do banco antes de Lazari assumir. "Passado com êxito o momento da escolha do novo chefe do Poder Executivo, o Brasil se encontra na posição ideal para superar uma desafiadora agenda de questões econômicas, nas quais o emprego, a geração de renda e a capacidade de investimentos se tornam pontos centrais e consensuais."

Santander

Já o presidente do Santander no Brasil, Sérgio Rial, cumprimentou o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pela vitória nas urnas e afirmou que, terminada a campanha eleitoral, é preciso união para trazer o Brasil rapidamente para o século 21 e "abandonar dinâmicas doutrinárias do século passado", de acordo com comunicado enviado à imprensa na noite deste domingo, 28.

"Necessitamos que todos nós, brasileiros e brasileiras, nos juntemos para o bem do nosso País, tentando ajudar a nova administração, sem com isso deixar de pautar visões diferentes, mas fazendo-o com propostas construtivas", afirma o executivo. "Desejamos ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, muito êxito e equilíbrio na missão que lhe foi confiada de governar o Brasil e buscar o desenvolvimento econômico sustentável, com justiça e equidade social."

Ainda no texto, Rial destaca que "estamos no meio de uma maiores revoluções da história econômica recente, promovida, entre outras coisas, pela inovação tecnológica". "Cabe a cada um de nós trazer o Brasil rápido para o século 21 e abandonar dinâmicas doutrinárias do século passado", observa o presidente do Santander. "O Brasil tem pressa, e mais ainda aqueles que precisam e merecem ter oportunidades", conclui o comunicado, destacando que o Santander vai seguir "acreditando, investindo e apoiando" os clientes e o Brasil.

* Com Estadão Conteúdo
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Dê o play!

Com a Selic acima de 10%, quais os próximos passos do BC? O podcast Touros e Ursos debate o futuro da taxa de juros

No podcast Touros e Ursos desta semana, a equipe do SD discutiu o cenário para a Selic e o BC em 2022. Até onde o Copom vai subir os juros?

Sinal amarelo

Marfrig (MRFG3) confirma participação em oferta da BRF (BRFS3), mas não poderá assumir o controle da empresa; entenda

Segundo um comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários hoje, as compras da Marfrig estarão limitadas a sua participação acionária atual

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa no azul apesar da volatilidade, bitcoin no vermelho e imbróglios com FII e Oi: o que marcou o mercado nesta sexta

Numa semana marcada pela escalada das tensões entre Rússia e Ucrânia, decisão de juros nos Estados Unidos e um discurso mais hawkish (duro contra a inflação) por parte do presidente do banco central americano, Jerome Powell, o Ibovespa conseguiu, mais uma vez, acumular alta. E as bolsas americanas – pasme – também. A sexta-feira (28) […]

DESINVESTIMENTOS

Em negócio bilionário, Petrobras (PETR4) vende ativos na Bacia Potiguar para subsidiária da 3R Petroleum (RRRP3); saiba quanto entrou nos cofres da estatal

A bola da vez é um conjunto de 22 concessões de campos de produção terrestre e de águas rasas, juntamente à sua infraestrutura de processamento, refino, logística, armazenamento, transporte e escoamento

SACO DE PANCADAS PRESIDENCIAL

Petrobras (PETR4) recua quase 4% após críticas de Lula; petista condenou pagamento de dividendos e política de preços da estatal

Embalados pela alta do petróleo, os papéis operavam em alta mais cedo, mas, após a nova rajada de críticas, passaram a registrar uma queda brusca