Menu
2018-12-13T13:47:42-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Sem taxas

Confira as cinco principais novidades da plataforma de investimentos do Banco Inter

Com negociação de ações e renda fixa sem taxas, banco digital entra na disputa pelos seus investimentos, mas não quer virar “supermercado financeiro”

12 de dezembro de 2018
12:46 - atualizado às 13:47
Retrato do presidente do Banco Inter, João Vitor Menin
João Menin, presidente do banco, aposta na "interdependência" dos clientes - Imagem: Bruno Figueiredo/Seu Dinheiro

Depois de conquistar mais de 1 milhão de clientes ao oferecer uma conta digital sem tarifas, o Banco Inter entrou na disputa pelos seus investimentos.

Eu estive hoje de manhã na cerimônia que marcou o lançamento da plataforma. O evento ocorreu na sede da B3, o mesmo palco da abertura de capital do Inter, apenas oito meses atrás. De lá para cá, as ações da instituição mais que dobraram de valor na bolsa.

A plataforma ligada ao aplicativo da conta digital vai seguir a filosofia que, segundo o presidente do Banco Inter, João Vitor Menin, tem garantido o sucesso do banco: gratuidade, experiência digital e um catálogo completo.

O Inter já oferecia produtos de investimento, mas quer justamente melhorar essa experiência com o lançamento da plataforma, que já nasce com uma base de 100 mil clientes.

Mas, se é gratuito, como o Inter vai ganhar dinheiro com a plataforma? Menin diz que o lançamento se insere no terceiro ponto da estratégia, que é ter na prateleira uma oferta completa de produtos financeiros e gerar receita a partir dessa relação.

"A gente quer que o nosso cliente seja interdependente", disse Menin, em uma alusão ao nome do banco.

Confira, então, as principais novidades anunciadas hoje:

1 - Home broker gratuito

O sistema de negociação de ações é a "cereja do bolo" da plataforma do Banco Inter, segundo Menin. Ele confirmou o que já havia antecipado em entrevista para o Seu Dinheiro: não haverá cobrança de taxas de corretagem nas negociações.

Além de ações, o sistema vai oferecer a compra e venda de opções, fundos imobiliários e títulos públicos (Tesouro Direto).

Menin diz que o foco do home broker do Banco Inter não será naquele negociador ativo de bolsa (trader), mas naquele investidor que olha a renda variável como uma forma de construção de patrimônio.

Por enquanto, o sistema de negociação está disponível apenas para um grupo limitado de clientes, mas a ideia é abrir a negociação para toda a base até o fim deste mês.

2 - Previdência digital

A plataforma também vai permitir o investimento em planos de previdência privada (PGBL e VGBL). O banco diz que é o primeiro a oferecer a possibilidade de contratação 100% digital. A oferta de produtos de previdência acontecerá em parceria com a Icatu Seguros.

3 - Sem agente autônomo

Ao contrário das corretoras líderes no mercado, como a XP Investimentos, a plataforma do Banco Inter não vai contar com a figura do agente autônomo. Ou seja, as aplicações serão feitas diretamente pelo cliente, sem a intermediação de um profissional responsável por apresentar os produtos.

Essa desintermediação reduz os custos do processo, o que permite ao banco oferecer os serviços de forma gratuita, além de evitar potenciais conflitos de interesse, segundo Rafael Alves Rodrigues, diretor de investimentos do Inter.

4 - Não é supermercado financeiro

O Banco Inter também se afasta do modelo XP ao limitar a quantidade de produtos de investimento disponíveis na prateleira. A grade contará com 20 a 25 fundos, mas com uma gama diversificada de estratégias, selecionadas por um comitê do banco, de acordo com o diretor.

A aposta é que essa estrutura mais enxuta também facilite a escolha das aplicações sem a necessidade de um agente autônomo.

Tela do aplicativo do Banco Inter - Imagem: Divulgação

5 - Produtos de outros bancos

Como diz o nome Plataforma Aberta Inter (PAI), o investidor encontrará no aplicativo opções de investimento não só do banco como de outras instituições financeiras. Além de comprar produtos como letras de crédito imobiliário (LCI) e do agronegócio (LCA) e debêntures, o cliente poderá usar a plataforma para vender os títulos, caso precise de liquidez antes do vencimento.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

aquisição à vista

Stone vai lançar BDRs na bolsa brasileira e pretende usar papéis na compra da Linx

Aprovação pelos acionistas da Linx e da Stone e prévia autorização do CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) estão entre as condições para finalizar a operação

Receita de volatilidade

Dólar tem forte alta com depoimento do presidente do Fed; volatilidade limita o Ibovespa

Moeda norte-americana registrou alta acentuada no início de uma série de depoimentos de Jerome Powell perante o Congresso dos EUA

recuperação econômica

Só teremos um ano cheio no turismo novamente em 2023, diz presidente da CVC

O presidente da CVC, Leonel Andrade, disse nesta terça-feira, 22, que o setor de turismo só deve voltar ao movimento pré-pandemia em 2023

discurso do presidente

Na ONU, Bolsonaro diz que incêndios são usados em campanha internacional

Ele afirmou que o apoio de instituições internacionais a esta suposta campanha é explicado pela riqueza dos biomas brasileiros

fatia de 37,5%

Data para follow on da BR Distribuidora ainda não foi definida, diz Petrobras

Venda das ações foi aprovada pelo Conselho de Administração da Petrobras em 26 de agosto. Efetivação depende de diversos fatores, inclusive as condições de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements